fbpx

As paisagens naturais que temos que preservar

O Algarve possui ecossistemas naturais que devem ser cuidados e preservados pela sua fragilidade. São áreas protegidas que apresentam variedades de fauna e flora por vezes únicas. O respeito por estas áreas é fundamental e, é por isso, que vamos explorar este património natural único.

RESERVA NATURAL SAPAL DE CASTRO MARIM E VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

Situada nos concelhos de Castro Marim e Vila Real de Santo António, a Reserva é alimentada pelas águas do rio Guadiana que se espraiam num complexo sistema de áreas de sapal, ora favorecendo a existência de salinas, ora de zonas de pastagens e até de montado de sobro. Constituída em 1975, esta zona húmida de cerca de 2000 hectares é favorável à nidificação de muitas aves migratórias e local de invernada para muitas outras. Destas são exemplo o perninlongo, escolhido como símbolo da Reserva.

PARQUE NATURAL DA RIA FORMOSA

Esta maravilhas de Portugal é constituída por 2 penínsulas, 5 ilhas, 6 barras e zona de sapal. A Ria Formosa estende-se desde o Ancão até à Manta Rota, dominando o Sotavento algarvio. É a mais importante zona húmida do sul de Portugal e ocupa uma área de 18.000 hectares. As águas salgadas do mar e as águas doces de pequenas ribeiras proporcionam zonas agrícolas, áreas de pinhal e de sapais, vasas e dunas.

As suas águas são propícias para a cultura de bivalves, viveiro de espécies marinhas e também para a existência da maior colónia de cavalos-marinhos do mundo. Em terra, avistam-se inúmeras aves que colocam a Ria Formosa na sua rota migratória.

PAISAGEM PROTEGIDA LOCAL DA FONTE BENÉMOLA

A Ribeira de Menalva atravessa este território do Barrocal algarvio de 392 hectares e propícia uma galeria de espécies arbóreas, como salgueiros, freixos ou choupos. Esta vegetação que contrasta com as encostas de flora mediterrênica é o habitat ideal para espécies de avifauna, como a Garça-Real, Garça-branca-pequena, Galinha-de-água ou Guarda-rios. Nota-se ainda a presença de reptéis, como o Cágado-mediterrânico, e anfíbios, como a Salamandra e o Tritão.

PAISAGEM PROTEGIDA LOCAL DA ROCHA DA PENA

Entre o Barrocal e a serra algarvia, existe uma cornija escarpada de calcários muitos duros com cerca de 50 metros de altura. A lenta erosão do tempo originou a formação de fendas e grutas, como a do Algar dos Mouros.

Nos seus 637 hectares, já foram recenseadas mais de 500 espécies florísticas, como o Narcissus calcicola e a Palmeira-anã, únicas no nosso país. Ao nível das aves, já foram identificadas mais de 120, em que se incluem o Gaio, a Águia-de-asa-redonda, a Águia-de-Bonelli ou o Tordo-ruivo. Javalis e raposas também são presenças notáveis.

PARQUE NATURAL DO SUDOESTE ALENTEJANO E COSTA VICENTINA

Este Parque Natural começa no Alentejo e estende-se até Sagres, na zona mais ocidental de Portugal Continental. Dos seus quase 90 mil hectares de área protegida, 28.965 são de área marítima, com grande diversidade de habitats costeiros, incluindo praias, falésias ou rochedos isolados.

Este território único é propício à existência de plantas raras, sobretudo nas zonas de Sagres e Cabo de São Vicente. Daqui são também os famosos percebes, motivo de muita gula. Destaque ainda para as paisagens das praias da Murração e da Mareta e para a Discordância da Ponta do Telheiro.

Leave a comment

X