fbpx

Vilamoura uniu romanos e omíadas

O nome remete para o seu passado civilizacional, mas quem passa atualmente por Vilamoura dificilmente dará conta dos vestígios arqueológicos históricos existentes. A estância turística de luxo que ali foi construída há meio século não apagou as memórias romanas e árabes que os séculos conservaram.

Os primeiros registos de habitantes naquela região datam da Idade do Bronze, conforme são testemunho as sepulturas descobertas na Vinha do Casão. Mas haviam de ser os romanos a construir uma ‘Villa’, a partir do I d.C., no local que hoje se denomina por Cerro da Vila.

Desse período, foram encontrados vestígios arqueológicos do núcleo residencial junto do porto, balneários, tanques de uma fábrica de salga de peixe, as fundações de uma torre funerária e uma zona portuária.

Após a desfragmentação e consequente fim do Império Romano, os Visigodos instalaram-se na região, sendo sucedidos pelos Omíadas, que ocuparam as antigas ruínas romanas e as modernizaram à sua época. Durante a sua ocupação foi construído um conjunto de silos no interior das casas. Os vestígios encontrados permitiram perceber que durante este período, a população se repartia entre as atividades da pesca e da agricultura.

A época marcou o encontro entre a antiga ‘Villa’ romana e a população ‘moura’, o que pode ter motivado a origem do nome da povoação. Contudo no século XI, ocorreu o total abandono da localidade em virtude dos constantes ataques piratas e do assoreamento do porto.

As memórias de outros povos ficaram paradas no tempo até que foram desvendadas pelo arqueólogo algarvio José Farrajota, em 1963. A par da construção do maior complexo turístico de luxo, com dezenas de hotéis, campos de golfe, casino, discotecas, clube de ténis, clube de mergulho e uma moderna marina na antiga Quinta do Morgado de Quarteira, nasceu também o Museu Cerro da Vila, a escassos metros da Marina de Vilamoura e onde podem ser visitados todos estes vestígios. As ruínas estão classificadas como ‘Imóvel de Interesse Público’ desde 1977.

Leave a comment

X