fbpx

5 rotas para descobrir mais Algarve

Fugimos aos destinos mais conhecidos do Algarve para ir dar uma volta. Ou melhor, cinco voltas. Os roteiros que preparamos exigem um carro e alguma dose de curiosidade para conhecer um território menos explorado. É o Algarve interior, o Algarve ‘vicentino’, o Algarve verdejante, o Algarve transfronteiriço ou o Algarve da terceira maior rota turística a nível mundial, a EN2. Aproveite os dias amenos da primavera e aventure-se!

1 – Costa Vicentina – De Odeceixe a Sagres

É pelo redor de uma das áreas mais naturais mais bem protegidas, que convidamos a um passeio. O ponto de partida é Odeceixe, onde pode começar por admirar a vila e a paisagem no alto do seu moinho. Até Sagres são quase 59 quilómetros, durante os quais pode contemplar a paisagem marcadamente atlântica, observar fauna e flora únicas ou o branco casario de aldeias e vilas e provar deliciosas receitas de batata-doce, típica da região. E com tempo, espreitar as praias rasgadas entre as arribas. E no final visitar a histórica Fortaleza de Sagres e o Cabo de São Vicente, onde pode contemplar um dos mais belos pores-do-sol do mundo.

Percurso: Odeceixe, Rogil, Aljezur, Bordeira, Carrapateira, Vila do Bispo, Sagres

Estradas: N120 e N268

2 – Serra de Monchique – De Portimão a São Marcos da Serra

Virando as costas ao mar é tempo de subir a um dos cenários mais incríveis do Algarve: a Serra de Monchique. À medida que se deixa o Barrocal e se começam a subir as encostas, a paisagem começa a mudar. O verde de pinheirais, eucaliptais e medronheiros toma conta do horizonte. Nas Caldas de Monchique recomenda-se uma ida às termas, nas águas que já os romanos consideravam sagradas. Entre o casario que estende Monchique pela encosta da serra, há que procurar sabores tradicionais da serra como os enchidos, o mel ou o medronho. E se puder fazer um desvio desta rota, contemple o Algarve a partir do seu ponto mais alto a Fóia. Recomenda-se uma paragem em Alferce para visitar as ruínas do antigo castelo islâmico. Não perder o serpenteado da Barragem de Odelouca, rasgada entre colinas, antes de seguir até São Marcos da Serra, uma das caraterísticas aldeias do interior algarvio.

Percurso: Portimão, Caldas de Monchique, Monchique, Alferce, São Marcos da Serra

Estradas: N124, N266 e N267

3 – Rota Turística – De Faro ao Ameixial

O Algarve entra na terceira maior rota turística do mundo: a EN2, com mais de 700 quilómetros de extensão na sua totalidade. De Faro até à Ribeira do Vascão, onde se entra no Alentejo, são mais de 56 kms que se fazem em mais de uma hora. A média é baixa devido às muitas curvas que é preciso fazer para subir o Caldeirão, depois de passar São Brás de Alportel. Mas todas valem a pena, porque chegar ao topo da serra do Caldeirão merece uma paragem para contemplar a paisagem abaixo dos pés. E um novo segredo, é dar um mergulho no espelho de água da Fonte da Seiceira. O Ameixial é ponto de paragem obrigatória para conhecer uma das freguesias mais remotas de Loulé e que conta uma história milenar.

Percurso: Faro, São Brás de Alportel e Ameixial

Estrada: EN2

4 – Rota Transfronteiriça – De Alcoutim a Vila Real de Santo António

Esta rota é feita com os olhos postos no outro lado da fronteira, em Espanha. E no Guadiana. Alcoutim, a vila pintada de branco na margem do rio, conserva o seu património transfronteiriço, como o contrabando, ou a presença de outros povos. O convite que fazemos é seguir pela estrada junto que serpenteia o Rio Guadiana. Em Laranjeiras, pode visitar a Villa Romana e em Guerreiros do Rio o Museu local. Seguindo por estradas interiores, entra-se na N122, para seguir até ao Azinhal, onde pode provar queijo e iogurte de cabra de raça algarvia, feito pela queijaria local. Depois é passar por Monte Francisco antes de descobrir a simpática vila de Castro Marim, onde pode observar o sapal, a foz do Guadiana e Vila Real de Santo António.

Percurso: Alcoutim, Guerreiros do Rio, Foz de Odeleite, Azinhal

Estradas: M507, N122, IC27, N122

5 – Transalgarviana – De Aljezur a Alcoutim

É a maior rota do Algarve e toda feita em pleno interior, nas serras algarvias do Caldeirão, Monchique e Espinhaço de Cão. São quase 200 quilómetros, onde a paisagem pode mudar a cada curva e o isolamento permite contemplar o ‘outro Algarve’. Além de sugestões já mencionadas de Aljezur a Monchique, Silves merece uma paragem para descobrir o seu património histórico. Depois é seguir pelas aldeias típicas do Barrocal algarvio: São Bartolomeu de Messines, Alte, Salir, onde não pode perder o castelo. Começa então o serpenteado da serra que nos leva até Cachopo e Martim Longo, em pela serra do Caldeirão, antes de seguirmos até à margem do Rio Guadiana, para sermos recebidos por Alcoutim. Durante esta viagem, podemos observar quatro cenários distintos do Algarve: a Costa Vicentina, a serra de Monchique, o Barrocal e a Serra do Caldeirão.

Percurso: Aljezur, Marmelete, Monchique, Silves, São Bartolomeu de Messines, Alte, Salir, Cachopo, Martim Longo e Alcoutim

Estradas: N267, N266, N124, N122-1

Depois de fazer as cinco rotas, há mais para descobrir? Há sempre mais para descobrir no Algarve!

Leave a comment

X